Sunday, June 8, 2008

Revisitando a utópica odisseia de Keil Fluge



É imensurável o valor subjectivo que concedo a um jogo como PANZER DRAGOON, presentemente uma das memórias mais preciosas da minha jornada pelo percurso dos videojogos. O meu primeiro e remoto contacto com este jogo surge numa época em que a imprensa portuguesa da marca SEGA ainda subsiste através da revista Mega Force, onde num dossier sobre o futuro triunfo tecnológico da empresa de Öta é descrito nas palavras 'Saturn, A Nova Revolução'.

Revista MegaForce nº 14, Julho de 94 (pág. 6)

Incertos do que aquele sistema iria proporcionar aos utilizadores, os redactores providenciam dados técnicos sobre a consola enquanto se inclinam sobre os jogos prementes do catálogo inicial: entre fotos de VIRTUA FIGHTER, DAYTONA USA (ambos aqui apresentados na versão original de salão recreativo e não na versão Saturn) e um inédito VICTORY GOAL, aparece a enigmática foto no topo de uma caixa de texto, revelando um dragão voador num cenário exótico. O nome desse projecto e a sua natureza são omitidos, como que uma deliberada tentativa de despertar o interesse e adensar o mistério em redor desta imagem.

Imagem rara do possível protótipo de Panzer Dragoon.

Só cerca de um ano mais tarde, naquela que foi a minha publicação mensal de referência no mundo dos videojogos da era 16 e 32-Bit, a Super Juegos, encontrei num artigo de final de revista uma nova menção ao projecto. Na secção Game Master, The Elf redige algumas linhas absolutamente atónito, maravilhado pela estética do jogo, assim como a sua complexidade técnica que, na altura, desafiava tudo o que se conhecia no formato home entertainment.

Si el número anterior os asombrásteis con los títulos de PlayStation, esperad a dirigir vuestras miradas al mejor juego de Saturn aparecido hasta la fecha. PANZER DRAGOON. Este shoot'em up, realizado por Andromeda, se convertirá en un juego de culto para Sega Saturn.


Revista Superjuegos nº 36, Abril de 95 (págs. 150-151)

No entanto, o verdadeiro êxtase surgiu na altura em que pude assistir a imagens em movimento da introdução do jogo, no programa Templo dos Jogos da SIC: uma breve, porém ilustrativa montagem de imagens que retratavam um jogo com o qual tinha sonhado nos últimos meses. É, desta forma, indescritível o momento da minha primeira experiência com o jogo - e, concomitantemente, com a consola Saturn.

Um aspecto importante no triunfo técnico e artístico do jogo dirigido por Yujio Futatsugi foi o forte fundo temático, cujas origens remetem à banda desenhada do francês Jean Giraud, ou Moebius, no seu renovador comic ARZACH. O desenhista colaborou, inclusivamente, com a equipa da SEGA na produção de alguma arte conceptual que, juntamente com as ilustrações de Ryuichiro Kutsuzawa, providenciaram fortes indícios para a criação deste universo de língua autónoma, suficientemente complexo e fascinante para gerar mais três episódios de sublime reputação.

A obra-maestra da Team Andromeda consistiu o meu primeiro ensaio em mundos tridimensionais complexos, aqueles que não só impressionaram pela profundidade de campo intrínseca às três dimensões visuais - por oposição ao vulgar 2D -, mas também pelo esplendor estilístico dos modelos poligonais e das texturas que os ornamentavam. Foi a minha iniciação num universo tridimensional de conteúdos visuais relevantes, muito além do experimentalismo de outras obras também revolucionárias por mérito próprio, mesmo que privadas deste nível de requinte: PANZER DRAGOON uniu o conceito de storytelling, com sequências CGI e Full Motion Animation, e a jogabilidade nivelada segundo os moldes do popular género arcade que a empresa nipónica criou em meados de 80.

Ver também:
- Crítica Superjuegos, número 40 do mês de Agosto de 1995 (pág. 42, pág. 43, pág. 44, pág. 45)

4 comments:

Carlos L. Figueiredo said...

Sublime. Panzer Dragoon é uma referência incontornável no mundo dos videojogos. A banda-sonora original é de um esplendor sinfónico nunca visto até aquela altura. Ainda te lembras de quando vimos e jogámos pela primeira vez o jogo na casa de um nosso amigo. Momento mágico e mítico.

Mikaveli said...

É engraçado escreveres este post quando decido comprar uma Saturn esencialmente para jogar aos três jogos desta mítica saga.

Sega, c'est plus fort que toi....

Mega, c'est plus fort que Super....

;D

Daniel C. said...

É a ideologia do "genesis does what nintendon't" levada ao máximo. Adorei a referência à SuperJuegos. Devo ter uma pilha incontável algures pelo sotão. ;)

Cumprimentos,
http://nowloading.blogs.sapo.pt/

Bruno said...

Esse seria um slogan que faria mais sentido nos Estados Unidos entre 89-92 do que propriamente na época em que a SEGA lançava a Saturn mundialmente entre 94 e 95. No entanto o poder estético deste jogo, como da série que originou, distanciaram bastante o tom das produções da SEGA daquele que acompanhava a concepção clássica e maioritária do modelo de jogo da (Super) Nintendo.

Não é nada surpreendente que, entre riscos tão nobres e decisões tão absurdas, a SEGA se relegue a um papel menor no contexto actual e a Nintendo, por sua vez, ocupe um local de destaque ou até de hegemonia financeira como já não se via há bem mais de uma década. Dizem que a sorte favorece os audazes - にん てん ど, assim quis Fusajiro-sama!

Obrigado pelos comentários!