Thursday, July 12, 2007

Game by Taiwan

O início dos anos noventa foi uma época em que as produções de cinema de artes marciais estavam em clara expansão. Jackie Chan foi um dos executantes que melhor conseguiu cativar a atenção do público através do seu afinado humor físico, misturando artes marciais com acrobacias. O seu sucesso transbordou para outras áreas do entretenimento e foi em 1991 que a Hudson Soft decidiu criar JACKIE CHAN'S ACTION KUNG-FU, um singelo título de plataformas e artes marciais lançado para a NES e para a TurboGrafx-16 da NEC.


Apesar das diferenças entre versões, que se prendiam sobretudo aos gráficos e qualidade sonora, superioriores na versão NEC, os jogos eram em tudo semelhantes. A Hudson Soft preferiu aproveitar um modelo que dominava confortavelmente, o jogo de plataformas e acção. Facilmente se confundem algumas secções deste jogo com PC KID (mascote da NEC)
e ADVENTURE ISLAND, a versão da Hudson Soft do jogo original WONDERBOY da SEGA/WESTONE. Aliás, alguns dos criadores deste jogo foram inclusivamente responsáveis pela produção e desenho de NEW ADVENTURE ISLAND.


TurboGrafx-16

NES


Pessoalmente, tive a oportunidade de disfrutar deste jogo através de uma versão pirateada... não através de emulação, mas sim através de um clone da NES - made in Taiwan - que me foi emprestado por alguém que teve manifestas dificuldades em terminar o jogo. O nome deste modelo: MX-ONDA. Adorei regressar aos tempos das 8-Bit através de uma consola completamente nova para mim (apesar de ser uma NES disfarçada). Este jogo estará, para sempre, associado a bons momentos, plenos de divertimento.



MX-ONDA

O jogo é composto por quatro áreas e tem uma belíssima curva de aprendizagem. Cada nível possui uma personalidade própria, culminando em excelentes level bosses. Existem itens secretos que permitem o nosso personagem executar movimentos especiais, bem úteis por sinal. A história do jogo faz lembrar a de MY HERO - ou a de qualquer filme de Jackie Chan para esse efeito - onde o herói parte numa aventura para resgatar a sua amada indefesa. Pelo meio temos, inclusivamente, uma série de referências ao anime-sensação desta época, Dragon Ball. Creio que já não tinha tanto prazer em jogar um jogo 2D (precisamente deste género) desde o mítico ALEX KIDD. Para o verdadeiro coregamer, as dificuldades começam a partir do terceiro nível e terminam no final boss, um osso duro de roer.

Para quem quiser experimentar basta clicar aqui e jogar, online, através do site 1980 Games.



5 comments:

Mikaveli said...

Não percebi como a versão Nec foi tão apreciada na altura. Era mesmo só pelos gráficos. Eu não gostei nada. Na Nec na altura era só Final Match Tennis. ;D

luminary said...

Alex Kid é de um mundo à parte!

Dieubussy said...

Boa parte da minha infância perdeu-se algures entre o Alex Kidd in Miracle World de Master System e o Mario Land de Gameboy... :)

luminary said...

Dois clássicos, mesmo para alguém que, como eu, não está muito por dentro de videojogos!

Artur said...

O que seria dos retro-gamers sem a MX-Onda. Passei muitas horas frustrantes a tentar terminar o Super Mario numa destas coisas.